Número total de visualizações de página

quarta-feira, 19 de junho de 2013

MARIA, MODELO DE FÉ- REFLEXÃO


http://deixadeusentrar.blogspot.com

 
Maria de Nazaré, modelo de fé

A Senhora de Nazaré foi sempre uma mulher

de fé.

Como judia rezava ao seu Deus, acreditava,

confiava.

Quando o Anjo Gabriel lhe apareceu

na anunciação, ela acreditou em tudo o que

foi dito da parte de Deus.

Por isso foi feliz, porque acreditou.

Depois de esclarecida na anunciação adere

pela fé.

Não vê muito claramente, mas não

põe condições.

Não entende, mas diz o seu sim.

Ao longo da sua vida, Maria de Nazaré

precisou de muita fé para continuar a acreditar

 sem duvidar.

As promessas do Anjo tardavam em realizar-se.

Passavam meses, anos e nada de

 especial acontecia com o seu filho Jesus.

Teve de fugir para o Egipto, levou uma vida

normal como uma família igual a todas

as outras, trabalhando em Nazaré, vendo

seu filho a trabalhar com S. José, o pai

adotivo de Jesus.

A Senhora atravessa a noite escura da fé na

sua vida e mais ainda quando chega a hora

de Jesus ser rejeitado, crucificado e morto.
 
Aí continua a acreditar que Deus é fiel.

Não reclama, não se revolta, não grita, não

pede justiça nem vingança.
 
 Reza em silêncio, abandona-se confiadamente
 
às mãos do seu Deus.

Hoje vivemos num tempo em que se quer ver

tudo, compreender tudo, experimentar

tudo pela ciência, pela técnica, TV,

 computadores, etc.

A Senhora da fé, a mãe dos crentes nos ajude

a crescer na fé.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

A FÉ EM DEUS


13 de Junho, dia de Santo António de Lisboa.
Um dos santos mais populares de todos os tempos do século 12 e 13. Só viveu 38/39 anos...
Missionário franciscano.
Apaixonado pelo evangelho, por Jesus Cristo e pela Igreja.
Modelo de vida e de fé para todos nós.
Falou, pregou e viveu o que pregou...
_______________________________
 
Fé é luz que ilumina a vida, ajuda a ver mais longe e sal que dá gosto de viver.

A fé não é uma aspirina espiritual que cura as dores de cabeça da vida.
Pelo contrário, se levarmos a sério a nossa fé em Jesus Cristo teremos muitas dores de cabeça.

Apesar de tudo isto, a fé autêntica e vivida a sério traz-nos uma alegria profunda e genuína, não apenas uma alegria superficial.
Traz-nos uma paz que nada nem ninguém nos pode dar; uma confiança e serenidade em todos os momentos da vida.

A fé conforta os aflitos e aflige os confortados.

A fé em Deus diz-nos que não podemos amar a Deus se não amarmos os outros com quem vivemos.
Só é verdadeiro amor a Deus aquele que inclui o amor aos outros.

A verdadeira fé requer e exige que vivamos não só para nós, mas também para os outros, numa atitude de ajuda e de serviço.

A fé cristã deve ser madura, adulta, esclarecida através de um aumento de conhecimentos da Bíblia, lendo bons livros de formação religiosa, da liturgia, dos sacramentos, rezando, participando em grupos de formação.

A fé leva-nos a ver mais com os olhos do coração e da mente, como se víssemos o Invisível.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

A NOSSA VIDA NA MÃO DE DEUS

 
 
Objeto de barro.
A nossa mão na mão de Deus.
A nossa vida na mão de Deus.
Símbolo da fé, confiança, abandono, entrega, súplica a Deus nosso Pai que os ama.
Fé prática na Divina Providência.
Se houver pessoas interessadas em adquirir este objeto de barro, comuniquem comigo.
Um bom presente para oferecer a marido, esposa, filhos, netos, irmãos, amigos, etc.
Meu email:
albanonogueira2012@sapo.pt

quinta-feira, 6 de junho de 2013

CONSELHOS FAMILIARES


http://deixadeusentrar.blogspot.com

1.Núcleo de todo o ser
Na vida e nas coisas, tudo começa com um núcleo.
O núcleo das coisas (átomo), o núcleo da pessoa, o núcleo da família é muito importante. Aí se começa e daí se parte para fora.
A consistência está no núcleo, na unidade mínima.

A família é o núcleo primeiro que deve funcionar bem, para, depois, injetar na sociedade o amor e todos os valores que dão sentido à vida e que tornam possível uma sociedade pacífica e harmoniosa.

Se o núcleo familiar (marido e esposa) não tem harmonia nem paz, a sociedade também não tem.

O núcleo social é a família. As relações humanas começam na família e se estas forem boas, as outras também serão.
 

2- Diálogo
A família é o primeiro lugar e o mais importante da comunicação e transmissão dos grandes valores humanos e cristãos.
    Cada um deve ter uma memória grata e agradecida por tudo o que recebemos da família a nível material e espiritual.
Se houve erros (involuntários), o bem recebido na família é muito superior a algum mal.
O diálogo (saber ouvir e saber falar) é fundamental para o bom relacionamento no casal.
Diz um pensador: "Quando a esposa está calado, é porque tem alguma coisa para dizer...".
Se não fala é porque está amuada, ou zangada...
É no diálogo respeitoso que se devem resolver o desacordo.

sábado, 1 de junho de 2013

ANO DA FÉ- ALIMENTAR A FÉ



A fé cristã católica não é apenas individual,
 
intimista (eu cá tenho a minha fé...), mas é
 
também uma fé comunitária: recebemos, ~
 
crescemos e vivemos a nossa fé cristã enquanto
 
membros de uma comunidade crente, da qual
 
devemos participar ativamente.

Devemos rezar sozinhos a Deus, mas devemos
 
rezar também em comunidade (família, grupo,
 
paróquia, sacramentos). Importância do
 
silêncio. Hoje é só barulho- TV, rádio...

A solidão com Deus é necessária para crescer na
 
fé. A fé autêntica é feita de muitos momentos
 
de solidão (estar a sós com Deus) e também de
 
vida comunitária.

Somente encontrando Deus na solidão,
 
encontramos Deus na comunidade e quanto
 
 mais encontrarmos Deus na comunidade, mais
 
O encontraremos na solidão (estar a sós com
 
Deus), falando-lhe como um amigo fala para o
 
seu amigo: nossas alegrias e tristezas; nossas
 
realizações e fracassos; nossas certezas e nossas
 
dúvidas; nossas esperanças e nossos medos,
 
nossos sonhos e projetos- toda a nossa vida.

A fé não é um ornamento para enfeitar a vida
 
em determinadas circunstâncias (batismo, 1ª
 
comunhão, profissão de fé, casamento, morte,
 
ao Domingo).