Número total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

TEMPO PAGÃO E TEMPO CRISTÃO

 
 
         ENTENDER BEM O TEMPO
 
    Tempo pagão, tempo de gozar: comer, beber, gozar, divertir-se, às vezes sem regras, sem leis, sem moral.
Tempo cristão leva a pessoa a saber usar as coisas para a nossa salvação eterna.
Knonos- Tempo pagão, tempo cronológico, tempo do relógio
Kairos- Tempo cristão, tempo favorável, tempo oportuno para a nossa salvação.
Se eu tiver fé, todas as idades e todas as épocas são tempo oportuno para a nossa salvação, para eu me aperfeiçoar, me santificar e ser cada vez melhor.
Tempo pagão: estou a envelhecer, a morrer, que chatice, que tristeza, que desgosto, já não posso gozar como antigamente.
Tempo Cristão, leva a pessoa a dizer: “Obrigado Senhor, pela vida, pela idade, pelo tempo que já vivi, pelos dons que me deste. Obrigado Senhor, porque foste tão bom para comigo.
Tempo pagão- Estou velho, já não posso fazer nada, estou doente, acamado.
Tempo cristão- Ó Senhor, estou idoso, acamado, mas ainda posso rezar por mim e rezar pelos outros.
Tempo cristão- Vou caminhando para a morte, mas a meta não é o buraco do cemitério, mas a vida plena junto de Deus e em Deus.
Tempo pagão é o que é vivido só para mim, esgota a pessoa, esvazia, entristece.
Tempo cristão vivido para ajudar os outros enche a alma e o coração, dá sentido à vida.
Tempo pagão quando a pessoa só pensa nas coisas deste munto material, consumismo, hedonismo (prazer), relativismo, egoísmo.
Tempo cristão quando a pessoa tem tempo para Deus (oração, leitura da Bíblia, sacramentos, Eucaristia), ajuda aos outros, serviço à comunidade e à igreja.
É a fé que ilumina a vida de acordo com o evangelho que nos diz até que ponto a forma como vivemos o nosso tempo é pagã, ou cristã.
A fé em Cristo que também viveu para Deus e para os outros ajudando e servindo especialmente os mais pobres e necessitados.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

QUAL A IMPORTÂNCIA DA MISSA?


 
Qual a importância da missa?

    Consegues imaginar uma família em que as pessoas nunca se encontrem?
    Todos os dias há cristãos que celebram a Eucaristia, mas a de domingo é a mais «oficial». Na verdade, desde a manhã de Páscoa que os cristãos se reúnem no primeiro dia da semana para celebrar a ressurreição de Jesus.
    E há mais de dois mil anos que é assim. Mesmo nas alturas em que foram perseguidos, por vezes com risco para a própria vida, os cristãos encontram-se sempre.
    E foi isso que permitiu que a Igreja se mantivesse viva até aos nossos dias.
A missa é a altura em que se conserva a memória do Evangelho e da pessoa de Jesus Cristo.
Na primeira parte da Missa ou Eucaristia, temos a Liturgia da Palavra e actualiza-se a mensagem de Jesus Cristo pelas leituras, pela homilia e a partilha.
A segunda parte da missa, Liturgia Eucarística, é igualmente importante, porque é nela que repetimos os gestos de Jesus na véspera da sua morte, o que, para os cristãos, é uma forma de proclamar que Ele ressuscitou.
Lembras-te de que foi quando Jesus partiu o pão que os discípulos de Emaús O reconheceram? E, no caminho, Jesus explicou-lhes a Palavra de Deus (Lucas 24, 13-35).
A reunião da Eucaristia deve ser alegre, mas também de oração. Nunca te aconteceu estares numa dessas celebrações e saíres de lá completamente diferente?
A missa não é, portanto, uma obrigação que tenhamos de cumprir para sermos obedientes a alguém que é severo, mas sim uma necessidade do crente, uma fonte à qual ele vai beber de livre vontade.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

TELA PARA O ANO DA FÉ



      Tela que mandei fazer para colocar à frente dos altares das minhas paróquias em Fafe.
Também pode ser colocada no exterior das igrejas ou noutros espaços conforme a possibilidade de cada templo.
Se alguém gostou, pode mandar fazer igual.
O tamanho é 1,50m x1,20m.

 

UNIDO AO PAI

 
 
“Afastamento é destruição”
 
(Pe José Kentenich, fundador do movimento de Schoenstatt, Alemanha).
Sempre que se afasta de Deus, a pessoa entra num processo de auto destruição, que o tornou um fator mais destruidor do que a bomba atómica.
Sem Deus, o homem corre o sério risco de se destruir a si mesmo (física, moral e espiritualmente), destruir os outros e destruir a obra da natureza que Deus criou.
Deus Pai quer o Homem Novo, o Homem paradisíaco, um pedacinho do Céu, em nós, como está em Maria de Nazaré e em Cristo.
O homem, ser de relação com os outros, com Deus, como imagem viva de Deus, seguindo a Cristo, encontrando-se consigo mesmo, numa participação da vida trinitária. Essa vida tem a sua fonte em Deus Pai.
O rumo (a direção) da vida do homem à face da terra, deve ser Rumo ao Céu, em peregrinação em direção ao coração do Pai, para que a pessoa alcance a finalidade da sua existência que é a salvação eterna.
A vinculação pessoal profunda e fecunda com Deus Pai passa, regra geral, pela experiência do pai da terra.
A família deve ser uma comunidade onde exista harmonia dos corações.
Uma criança precisa da experiência natural do que significa ter um pai na terra, para poder entender um pouco do que é a sua relação com o Pai do Céu. Só assim, a criança pode fazer uma transferência do seu afeto para Deus entendido como Pai.
Nós vivemos num tempo “sem pai”. Por isso, é que vivemos, cada vez mais, num tempo “sem Deus”.
Dizia alguém: “hoje, não há mais terras de crianças, porque não há terras de pais… E como não há terras de pais, também não há terras de Deus.
A perda do sentido de criança é a maior infelicidade do mundo atual, porque torna impossível a ação paternal de Deus.
Perdeu-se o sentido do que é ser criança, pois hoje as crianças aprendem tudo muito precocemente e, ficamos no tempo sem Deus.
Já não temos pais saudáveis, que possam despertar o sentido natural de criança, que, penetrando o subconsciente da criança, atinge o homem todo.
 

sábado, 15 de setembro de 2012

SACRAMENTO DA CONFISSÃO, OU RECONCILIAÇÃO OU PENITÊNCIA


 
O que é e como se faz a confissão?

     No dia do teu Batismo, os teus pais propuseram-te o caminho de Jesus. E disseram claramente: «Renunciamos ao mal». Ou talvez tenhas sido tu mesmo(a) quem o disse…
    A pouco e pouco, foste procurando percorrer esse caminho, mas nem sempre conseguiste, porque, às vezes, caíste no pecado; nem sempre viveste segubdo o Evangelho de Jesus. Mas podes «converter-te», tal como o filho que, na parábola do Evangelho, regressou à casa do Pai (Lucas 15, 11-32).
O sacramento da Reconciliação (que é como preferimos chamar-lhe hoje) é, de cada vez, como que num novo Batismo. O primeiro fez-te entrar na comunidade daqueles que acreditam em Deus e querem viver como Ele nos pediu que vivêssemos. Pelo segundo, reconcilias-te com Deus, que te ama como Pai, juntando-te à comunidade da qual estavas afastado(a).
Durante a celebração penitencial, depois de teres examinado o teu coração à luz da Palavra de Deus, podes ir ter com um padre para reconheceres diante dele o teu pecado e receberes a absolvição; ou seja, o padre ergue sobre ti as palmas das suas mãos (ou coloca-as em cima da tua cabeça) e, fazendo o sinal da cruz com a mão direita, diz-te: «Eu te absolvo dos teus pecados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo».
O padre é escolhido por Deus para ser o pastor da comunidade. Recebendo por meio dele o perdão, ficas novamente em paz com Deus, com os irmãos e contigo próprio(a).

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

COMPORTAMENTO HUMANO- 2

 
 
CONSCIÊNCIA, REFLEXÃO E RESPONSABILIDADE
a)     Graus de consciência e de responsabilidade
A consciência, a reflexão e a responsabilidade variam muito segundo as diversas situações. Há coisas que diminuem essas realidades: aumento da paixão, da excitação sexual, a acção do álcool, da droga, o alheamento, a sonolência, o sono.
Com o despertar e com a atenção aumenta a consciência, a reflexão e a responsabilidade.
b)    Ter consciência é diferente de ter responsabilidade
O facto de termos consciência do que se está a passar em nós não nos deve levar a concluir necessariamente pela responsabilidade do que aconteceu ou do que devemos fazer.
Para se avaliar a responsabilidade há que ter como ponto de referência a capacidade ou incapacidade de fazer o contrário, ou seja, o maior ou menor grau de liberdade de escolha. E isso condiciona a responsabilidade.
Quando a pessoa toma uma decisão reflectida e voluntária de procurar a excitação sexual, neste caso, a responsabilidade é muito maior.
c) Fuga das ocasiões e sentido para a vida
Para sermos adultos responsáveis, devemos criar condições para nunca perdermos a capacidade de avaliação reflectida da realidade, nem a livre capacidade de decisão.
O nosso comportamento depende muito das ocasiões, das circunstâncias, por isso, muitas vezes, a pessoas, deve fugir das ocasiões que pode descambar para comportamento irracionais, infra-humanos e até degradantes da dignidade humana.
O sentido para a vida é uma realidade muito importante e ele só de verdade uma orientação para a vida quando Deus  e a prática religiosa ocupam um lugar importante na vida da pessoa. 

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

DOMINAR-SE A SI MESMO

 
Domina-te a ti mesmo o mais que possas…
·        Dominar os meus pensamentos e pensar no bem…
E pensar bem dos outros.
Somos comandados pelo pensamento.
Devíamos pensar só no bem…
·        Dominar a língua: falar bem, de forma educada, respeitadora, dizer a verdade; evitar o mal, a mentira, o palavrão, as ofensas aos outros.
Saber falar e saber calar…
Dominar o apetite de comer e de beber: não comer de mais, nem de menos. Comer todos os alimentos e ensinar as crianças a comer de tudo…
Não abusar de bebidas alcoólicas e muito menos embebedar-se…
·        Dominar os ouvidos. Não andar só a ouvir disparates, boatos, mexericos, para depois contar noutro lugar e fazer guerras entre as pessoas.
Gostar de ouvir coisas bonitas, ouvir palavras cultas (conferências, palestras, pregação, homilia).
·        Dominar os olhos. Há coisas que nos entram pelos olhos dentro e não podemos evitar. Mas há coisas que somos nós a procurar ver…
Ler a Bíblia, Palavra de Deus para os homens de todos os tempos.
Ler bons livros de formação humana e cristã.
·        Dominar as mãos para se ocuparem com o bem, a ajudar os outros e a fazer coisas boas.
Quantas mãos roubam, ofendem, agridem, matam, fazem o mal...
·        Dominar os pés para não irem a maus lugares, maus ambientes.
·        Dominar a forma como gastamos o dinheiro. Um bom cristão deve pensar que há coisas que não deve comprar, não deve gastar o seu dinheiro em coisas que o prejudiquem no corpo ou na alma a si e ao outros…
·        EVITAR AS OCASIÕES QUE PODEM LEVAR AO PECADO.
Diz o ditado: a ocasião faz o ladrão. Fugir dessas ocasiões perigosas, tipo areias movediças, pantanal…
·        EVITAR MAUS COLEGAS… MAUS AMBIENTES.

domingo, 2 de setembro de 2012

AÇUCAR

 
SORRIA PRA MIM!
 
    “ Um certo dia, a professora perguntou às crianças quem saberia explicar quem é Deus?
Uma das crianças levantou o braço e disse: - Deus é nosso Pai, Ele fez a terra, o mar e tudo que está nela; nos fez como filhos Dele.
A professora, querendo buscar mais respostas, foi mais longe: - Como vocês sabem que Deus existe, se nunca o viram?
A sala ficou toda em silêncio…
Pedro, um menino muito tímido, levantou as mãozinhas e disse:
- A minha mãe me disse que Deus é como o açúcar no meu leite que ela faz todas as manhãs, eu não vejo o açúcar que está dentro da caneca no meio do leite, mas se ela tira, fica sem sabor.
Deus existe, e está sempre no meio de nós, só que não o vemos, mas se Ele sair de perto, nossa vida fica… sem sabor.
A professora sorriu, e disse:
- Muito bem Pedro, eu ensinei muitas coisas a vocês, mas você me ensinou algo mais profundo que tudo o que eu já sabia. Eu agora sei que Deus é o nosso açúcar e que está todos os dias adoçando a nossa vida!
Deu-lhe um beijo e saiu surpresa com a resposta daquela criança.
A sabedoria não está no conhecimento, mas na vivência de Deus em nossas vidas, pois teorias existem muitas, mas doçura como a de Deus não existe ainda, nem mesmo nos melhores açúcares…
Tenha um bom dia e não se esqueça de colocar “AÇÚCAR” em sua vida… Ou seja, colocar Deus na tua vida...
COM MUITO CARINHO E MUITO AÇÚCAR.