Número total de visualizações de página

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

A RELIGIÃO DÁ SENTIDO À VIDA


A nossa vida ganha sentido na medida em que é útil aos outros;
na medida em que servimos aos outros e nos preocupamos
 com o bem dos outros.
A finalidade da nossa vida é louvar e amar a Deus Pai pela
ação do Espírito Santo, mas também amar o próximo.
O cristão entrega-se nas mãos de Deus Pai para ter uma ação
 de acordo com o seu ser.
É preciso "Ser" e "Parecer" cristão.
Ações que manifestam a nossa identidade cristã,
agindo na imitação de Cristo.
       O egoísta é parecido com o animal feroz, selvagem, que luta
para sobreviver e só se preocupa consigo.
O cristão deve viver como imagem de Deus que ama,
que ajuda, que perdoa, que salva.
É assim o Coração de Jesus.
       Não sejamos imagem do animal feroz, selvagem que ataca e fere o outro.
        Sejamos imagem do Coração de Jesus cheio de bondade,
       doçura, mansidão, misericórdia, solidário com os outros.
Um dia vivido só para si, sem nada contribuir para o bem dos
outros ou para a glória de Deus, foi um dia perdido.
A pessoa tem necessidades fisiológicas: comer, beber, dormir.
São necessidades básicas.
        Necessita de segurança.
        Necessita de estima.
         Precisa de ter estima por si e estima pelos outros.
        Quem não tem estima por si, também não tem
        estima pelos outros.
        É muito importante ensinar e educar crianças e jovens
         para terem estima por si mesmos.
É fundamental para a pessoa não se prejudicar a si mesma.
Quem tem estima por si mesmo procura o bem e não
faz o mal a si mesmo.
Uma pessoa que se meta nos vícios: álcool, tabaco,
jogo, droga, sexo, violência, etc, fá-lo porque
não tem estima por si mesmo.
Pois só se prejudica a si mesmo.
Ora prejudicar-se a si mesmo é não ter respeito nem
estima por si mesmo.
Quais são as minhas motivações? O que me leva a agir?
      Quais são os meus valores?
       O que é que é mais importante para mim?
        Comer, beber, divertir-me (discotecas), gozar, dinheiro, fazer compras, a família, Deus, a religião, a internet, o telemóvel, a televisão?

domingo, 29 de janeiro de 2012

SIMÃO PEDRO, O PRIMEIRO PAPA

30. Porque é que Jesus mudou o nome de Simão para Pedro?
Diz o Evangelho que Simão tinha o apelido de Cefas, que, em hebreu, significa «pedra» ou «rocha», ou seja, o mesmo que significa pedro. Para as pessoas do país de Jesus, o nome é importante, indicando muitas vezes a «vocação» daquele que o utiliza, aquilo que ele deverá fazer na vida.
Jesus chamou doze apóstolos e, para que eles se mantivessem unidos na fé, decidiu que Simão seria o seu apoio. Uma rocha é algo sólido, sobre o qual é possível construir. Pedro não é o patrão dos Apóstolos, uma espécie de «superapóstolo», mas sim aquele que cuida da unidade do grupo na fé.
Um dia, contudo, a rocha que era Pedro negou o seu Mestre. Mesmo antes desse abandono, Jesus tinha-lhe dito: «Antes de o galo cantar, negar-Me-ás três vezes» (Mateus 26, 34). Ele sabia que Pedro era fraco mas, apesar disso, perdoou-lhe, para que ele pudesse continuar a desempenhar o seu papel.
Hoje em dia, é o Papa que assume essas funções, mantendo a Igreja unida. Chamamos-lhe «o sucessor de Pedro», porque ele é, antes de mais, o bispo da cidade de Roma, onde, no ano 64, o apóstolo Pedro foi martirizado.

31. Porque é que Jesus escolheu Apóstolos?
Deus não quer fazer nada sem os seres humanos. Quando jogas às damas, és tu que mexes nas peças e que decides as tuas jogadas. E as peças deixam-se manipular. Deus quis sempre ter necessidade dos seres humanos por amizade, porque confia neles. Nós não somos peças que Ele manipula, mas seres livres que colaboram. Logo no princípio da Bíblia, vemos que Deus confia o jardim ao ser humano. E também foi logo no princípio que Jesus escolheu Apóstolos para O acompanhar.
Mas há uma outra explicação. O que é que Jesus veio fazer à Terra? São João responde: unir os filhos de Deus que andavam dispersos (João 11, 52). Ao chamar os Apóstolos, Jesus começou essa união, oferecendo-nos assim como que uma parábola viva, um modelo de comunidade. E a primeira regra é que cada um se coloque ao serviço dos outros (Lucas, 22, 37). Um dia, houve quem dissesse ao ver os primeiros cristãos: «Vede como eles se amam!» A melhor maneira de anunciar o Evangelho é dar testemunho do amor mútuo.
Depois da Páscoa, na altura de regressar para junto do Pai, Jesus enviou os Apóstolos em missão pelo Mundo inteiro. Essa mensagem de Jesus aplica-se, porém, a toda a humanidade, porque Ele precisa de discípulos que espalhem a Boa Nova e são eles que devem continuar a sua obra. Sozinhos? Não totalmente, Jesus deu-lhes o Espírito Santo e prometeu ficar com eles até ao fim dos tempos (Mateus 28, 20).

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

PERGUNTAS ACERCA DE DEUS- 27



27. Porque se chama Boa Nova ao Evangelho?
verdade é que se trata de sinónimos, «Evangelho» é a tradução para português de uma palavra grega que significa precisamente «boa nova» ou «boa notícia»!
Essa boa nova é a mensagem de Jesus, o profeta de Nazaré.
     Há apenas um Evangelho, mas pelo menos quatro maneiras de o anunciar: a de São Mateus, a de São Marcos, a de São Lucas e a de São João.
Cada um deles escreveu um pequeno livro chamado «evangelho».
Mas poderíamos juntar-lhes tantos outros evangelhos quantos os crentes que, com as suas palavras, querem testemunhar que Jesus é realmente uma boa nova para eles.
Cada cristão pode escrever, com a sua vida, um «quinto evangelho».
O que é que o Evangelho tem então de novo?
Que Deus nos ama como um Pai?
Não, porque Ele já faz isso desde sempre.
O que é novo é que Deus amou tanto o mundo, como diz São João, que nos enviou o seu único Filho, Jesus (João 3, 16), o Qual nos amou ao ponto de dar a sua vida por nós numa cruz.
E depois ressuscitou, vencendo a morte!
Não é uma boa nova?

sábado, 21 de janeiro de 2012

ORAR


Rezar é muito mais escutar a Deus do que falar
Nós quase sempre fazemos o contrário: falamos e queremos que Deus nos escute e nos escute obedecendo ao que Lhe pedimos.
Claro que orar também é falar com Deus.
Ter presente que Deus se relaciona comigo e que eu tenho todas as condições de O entender e de falar com Ele.
Neste relacionamento com Deus eu sou criatura d’ Ele e Ele é o Criador.
A presença de Deus na minha vida é necessária para eu me entender como pessoa, gostar da minha vida e estar bem comigo mesmo.
E Deus sempre se antecipa a nós, toma sempre a iniciativa.
      Quando eu tenho vontade de fazer o bem, isso já é uma reação à iniciativa de Deus.
Quando começo a olhar a realidade desta forma, vejo em tudo momento de orar e agradecer a Deus.
Não existem escolas ou mestrados em oração.
      A arte de dialogar e amar a Deus sobre todas as coisas é um caminho que se faz ao longo de toda a vida, com altos e baixos.
        A oração é uma atividade às vezes fácil e às vezes difícil ao mesmo tempo.
      Orar é um exercício que exige treino, hábito, persistência, como quem treina uma atividade desportiva.
      Levar a sério o exercício de rezar, não apenas de vez em quando, quando se sente bem, ou se tem necessidade, mas sempre. Jesus disse: “Rezai sem cessar para não cairdes em tentação” (Mt 26,41).
S. Paulo repete as mesmas palavras do Mestre: “Orai sem cessar” (1Ts 5,17).

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

UMA VIDA COM SABEDORIA

 
 
    Um velho carpinteiro estava pronto para se reformar. Informou o patrão sua intenção de deixar a indústria de construção civil, onde trabalhava, pois desejava passar mais tempo com sua família.
A empresa não seria afetada pela saída do carpinteiro, mas seu patrão ficou triste em ver um bom funcionário deixá-los. Apesar da determinação do carpinteiro, o patrão pediu-lhe para que trabalhasse em mais um projeto, o último.
O carpinteiro concordou, mas não ficou entusiasmado com a ideia.
  Deu início ao projeto, prosseguiu, terminou a obra.
Fez um trabalho de segunda qualidade, usou materiais duvidosos. Que maneira melancólica de encerrar uma bela carreira.
Obra finalizada, o patrão veio fazer a inspeção da casa.
Assim que terminou, devolveu a chave da casa ao carpinteiro e disse-lhe; “Esta casa é sua, é o meu presente, em consideração aos anos de dedicação”.
O carpinteiro ficou muito surpreso. “Que pena”, pensou ele, “se eu soubesse que estava construindo a minha casa própria, teria feito tudo diferente”.
Isto acontece muitas vezes connosco.
Nós construímos nossa vida dia a dia, e muitas vezes não usamos o melhor de nós, e mais tarde verificamos surpreso que dependemos daquilo que construímos.
Aí, já é tarde demais, não podemos voltar atrás.
Coloque amor e carinho em tudo aquilo que venha a fazer, pois a sua vida é um projeto de Deus.
      Confie em Deus, dê graças sempre. Dê o melhor de si!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

PERGUNTAS ACERCA DE DEUS- 25


25. O pai de Jesus é São José ou é Deus?
Podias fazer a mesma pergunta acerca de todos nós: o nosso pai é o Pai do Céu, como dizia Jesus, ou o pai da Terra?
É evidente que temos que de responder que são os dois, mas de formas diferentes.
O nosso Pai do Céu foi quem criou todos os seres humanos e ama cada um de nós de forma única.
O teu pai da Terra é aquele que recebeu a missão de olhar concretamente por ti.
O mesmo aconteceu com Jesus, embora, é claro, com algumas diferenças.
Em todo o Evangelho, quando Jesus fala do seu Pai, não se refere a São José, mas sim ao Pai do Céu.
Quando ainda era pequeno, Ele já queria demorar-Se mais no Templo para ficar na casa do seu Pai (Lucas 2, 49).
Na verdade, São Lucas e São Mateus dizem-nos que Maria concebeu Jesus antes de ter vida conjugal com José.
À sua pergunta «Como será isso?», o anjo respondeu: «O Espírito Santo virá sobre ti…» (Lucas 1, 35).
Por isso falamos da Virgem Maria (Mateus 1, 18-25 e Lucas 1, 26-38).
Para o crente, Jesus é, em primeiro lugar, o Filho de Deus, que foi confiado a São José, ao passo que nós somos primeiro filhos do nosso pai da Terra e aos poucos vamos descobrindo o nosso Pai do Céu.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

EVANGELIAR NUNCA FOI FÁCIL

albanosousanogueira@sapo.pt
http://deixadeusentrar.blogspot.com
______
Hoje muita gente tem medo ou vergonha de falar de Jesus Cristo aos outros, medo ou vergonha de se dizer cristãos.
O cristão deve para falar de Jesus Cristo em palavras e em obras.
O abandono da fé cristã levou ao abandono dos valores morais, e as estruturas da nossa sociedade desagregam-se.
A evangelização é uma obra de Deus, é trabalho do Espírito Santo que lhe dá vida desde o princípio ao fim.
É o Espírito Santo que cria no coração a sede de conhecer a realidade de Deus, sede que só o Espírito Santo pode saciar.
A todos os que têm necessidade de Deus, Ele revela que o poder de Jesus Cristo é real para os perdoar, os libertar e lhes dar o poder e a capacidade de começar uma vida nova.
Nada consegue responder à sede espiritual, nem preencher o vazio de Deus que existe em cada pessoa.
A Evangelização mais eficaz é aquela que é feita pela Igreja local, isto é na paróquia.
Quando o cristianismo é apresentado pela paróquia, os participantes tomam contacto com os locais e com os cristãos e tem tendência a ficar.
Para muitos, a alegria de se sentirem aceites e acolhidos precede a adesão à fé.
A Evangelização feita na paróquia mobiliza uma multidão de testemunhas.
É a evangelização pela amizade.
 As pessoas precisam de se abrir a Cristo e receber o Espírito Santo.
Quando se dão conta do que Deus fez por elas, falam às suas famílias, aos seus amigos e aos seus colegas que nem sempre são cristãos praticantes.
Quantas mais lojas, mais clientes, quer dizer, quantas mais paróquias evangelizarem, mais pessoas são evangelizadas.
A fé cristã deve ser apresentada de modo pertinente e racional, pela palavra e pelos atos e que seja vivida numa igreja local viva e acolhedora, que reza e se preocupa com a comunidade no seu conjunto.

sábado, 7 de janeiro de 2012

PERGUNTAS ACERCA DE DEUS- 23


23. Jesus existiu mesmo?
Toda a gente (mesmo os sábios que não acreditam em Deus) está de acordo quanto ao facto de Jesus, o filho (adotivo) do carpinteiro S. José, ter existido mesmo.
Sabemos que viveu há cerca de dois mil anos na Palestina e morreu numa cruz enquanto Pilatos governava a Palestina em nome dos Romanos.
Os Evangelhos e outros textos antigos dão-nos conta disso.
A sua existência é tão certa como a de outras grandes personagens da mesma época, como, por exemplo, Júlio César.
A fé cristã começa quando se precisa que Ele ainda está vivo.
Os Apóstolos não estavam à espera de encontrar o túmulo aberto e vazio na manhã de Páscoa.
Jesus apareceu-lhes para que compreendessem que Ele estava sempre com eles, mesmo que O não vissem.
E, passados vinte séculos, tal como os Apóstolos, há homens e mulheres que escolhem Jesus para companheiro das suas vidas. Eles compreenderam que a morte não é o fim de tudo e que a vida já sai vencedora de cada vez que se serve os outros e que a justiça triunfa.
Mas quem é este Jesus?
Para o crente, Ele é enviado por Deus, o seu Filho, que veio até nós para nos falar desse Deus criador do Céu e da Terra.
Graças a Ele, sabemos que Aquele que conduz as estrelas no firmamento e que fez surgir a vida na Terra pode ser chamado Pai.
Deus Pai.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

ORAÇÃO DE LOUVOR A JESUS

albanosousanogueira@sapo.pt
http://deixadeusentrar.blogpot.com


             Senhor Jesus,
    Como o leproso do Evangelho que era rejeitado pela sociedade, eu te suplico:
         - Senhor, tem compaixão de mim!
      Limpa-me, Senhor, da minha lepra que é o egoísmo e o pecado
      Senhor, Tu conheces o meu desejo de Te seguir, mas nem sempre o conseguimos
               porque o mal nos seduz e atrai.
     Senhor, tem compaixão de mim



              Senhor Jesus,
       Como os discípulos de Emaús quero dizer-Te:
      - Senhor, fica connosco porque o dia está a chegar ao fim.
    A noite aproxima-se e temos necessidade de Ti.
     Senhor, Tu és a Luz, vela sobre aqueles que não dormem.
     Senhor, Tu és a paz, acalma a dor de todos os que sofrem.
      Senhor, ampara os desanimados com a Tua fortaleza.
     Visita com o Teu amor os que estão sós
     Para que se sintam envolvidos pelo vosso amor.
     Senhor, fica connosco