Número total de visualizações de página

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

ORAÇÃO

albanosousanogueira@sapo.pt
+
Senhor, dá-me CORAGEM para mudar o que pode e deve ser mudado na minha vida.
E há tantas coisas que posso e devo mudar na minha vida.
Posso melhorar o que já faço de bem para fazer e ser mais perfeito…
Posso mudar o que está errado na minha vida: o meu egoísmo, os meus caprichos, a minha vaidade, a minha soberba, a avareza, a luxúria, a ira, a gula, a inveja, a preguiça.
Melhorar a minha atenção na oração;
a minha atenção e ajuda aos outros; a minha melhoria pessoal.
Senhor, ajuda-me a perceber que o primeiro trabalho tem de ser feito por mim em mim.
Eu tenho de trabalhar primeiramente a minha pessoa.
+
Senhor, dá-me SERENIDADE para aceitar o que não pode ser mudado.
Não posso mudar o meu tamanho, a cor do cabelo, a cor dos olhos, a família que tenho, a terra onde nasci.
Não posso mudar o meu passado.
Não posso mudar certas circunstâncias.
Devo aceitar tudo isso com serenidade.
Mas há coisas que não mudam porque não tentamos.
Há coisas possíveis que poderíamos mudar se nos esforçássemos e tentássemos.
Até o nosso feito, o nosso temperamento pode ser melhorado.
+
Senhor, dá-me SABEDORIA para distinguir uma coisa da outra.
Senhor, dá-se sabedoria para distinguir o que posso ou não mudar.
Senhor, dá-me sabedoria para saber distinguir o bem do mal.
Sabedoria para distinguir as boas e as más companhias; os bons e os maus ambientes.
Senhor, lançai o Vosso Espírito Santo sobre mim e iluminai a minha inteligência para eu progredir no caminho da fé e da santidade e vos imitar cada vez mais.
Obrigado, Senhor, porque estás sempre comigo, em todos os momentos da minha vida...

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

REFLEXÕES CATÓLICAS

albanosousanogueira@sapo.pt
--------------------

- É preciso termos mais virtude e mais força para calar do que para falar.
- É mais forte quem perdoa do que quem se vinga.
- Se pusermos o Homem direito, o mundo ficará direito; se o pusermos torto, o mundo ficará torto.
- Quanto mais tortas estiverem as pessoas, mais torto estará o mundo.
- Deus não quer que o Homem seja mau.
Deus quer que o Homem (todos os Homens) seja realmente bom, bom na sua essência, bom por dentro.
Deus é tão nosso amigo que nos deu as mãos, os olhos, os ouvidos, a boca, os pés, o coração, a inteligência, para os usarmos responsavelmente.
Deu-nos a liberdade de usar todos esses dons para o bem ou para o mal.
Bem-aventurado, feliz é a pessoa que tem mãos, pode fazer o mal, mas antes as usa para o seu bem e bem dos outros.
Bem-aventurado, feliz é a pessoa que tem pernas para ir os maus caminhos, mas escolhe ir para os bons caminhos.
Bem-aventurado, feliz é a pessoa que tem boca e pode dizer mal dos outros (que é a coisa mais fácil de fazer neste mundo), mas diz bem de todos e se não tem nada de bom para dizer, sabe calar-se.
Bem-aventurado, feliz é a pessoa que tem olhos para ver o que quer, mas os usa para ver o que é bom.
Bem-aventurado, feliz é a pessoa que tem ouvidos para ouvir tudo, mas afasta os seus ouvidos da crítica, da calúnia, da murmuração.
Bem-aventurado, feliz é a pessoa que tem inteligência e liberdade de fazer o mal, pode fazer o mal, sabe fazer o mal, mas escolhe fazer o bem, o melhor bem, o máximo bem.
Que recompensa ou mérito teríamos se não tivéssemos liberdade de escolhe entre o bem e o mal.
Apenas à pessoa humana, Deus deu a verdadeira liberdade de agir para o bem ou para o mal.
Por isso é que os nossos actos têm valor, porque os fazemos livremente. Deste bom uso da liberdade vem a responsabilidade e a possibilidade da salvação.
Liberdade e responsabilidade devem andar sempre unidas.
Quem é livre também deve ser responsável pelos seus actos livres…
Quando Deus fez o mundo, a terra, a luz, os seres, diz-nos o Génesis, que “Deus viu que isso era bom”.
Mas quando fez o Homem Deus não usou essa expressão. Nada disse.
Como que dando a entender que Deus sabia que o Homem podia se bom e podia ser mau; Deus sabia que o Homem era o único ser que podia ser mau usando a sua liberdade e inteligência para o mal.
No fim de tudo, ao contemplar toda a sua obra, “Deus viu que isso era muito bom”.
É preciso que o Homem seja possivelmente mau, para ser realmente bom.
Jesus Cristo era homem e Deus.
Como homem podia fazer o mal, mas como Deus não podia.
Por isso, Ele foi Santo e Perfeito na Sua liberdade e na Sua obediência.
Maria de Nazaré, Nossa Senhora, foi realmente boa porque como humana podia fazer o mal, mas não o fez.
Tinha mãos, pés, ouvidos, olhos, boca, liberdade, inteligência que podia usar para o mal e não usou.
Pe. Albano Nogueira

QUANDO OS PAIS INVERTEM OS PAPEIS

albanosousanogueira@sapo.pt
-------------------------
1- Pais que dominam os seus filhos de forma sufocante, que os ridicularizam, ou que nunca estão satisfeitos com qualquer realização dos filhos, não geram pessoas seguras.
As filhas podem ser demasiado tímidas e assustadiças se as mães lhes reprimem e negam os esforços que elas fazem para se tornarem independentes.
2- Pai passivo e submisso, que deixa à esposa dominadora e super-exigente a posição de chefe de família, bloqueia o sadio desenvolvimento da personalidade afirmativa.
---------
Tentativa de afirmação que fere - Uma experiência inicial frustrada predispõe para a insegurança.
Angústias, pânico, dores do peito, fadigas, insónias, irritabilidade, falta de interesse pelos filhos- Estes poderão ser sintomas podem surgir tarde na vida de uma pessoa e podem ser fruto de uma longa repressão dos sentimentos de afirmação que reprime até que chega o momento que explode e não os controla mais.
A tensão acumulada, manifesta-se também a nível fisiológico.
O respeito humano aprisiona a afirmação - Desde criança somos ensinados a ser bons e dóceis, dando-se bem com os outros, sem magoar os seus sentimentos, para manter a paz.
Assim, os impulsos necessários e naturais de afirmação reprimem-se e fazem a pessoa insegura.
Nessas alturas, a rebeldia seria bem-vinda e saudável.
--------------
O que se colhe da insegurança - Todo o ser vivo tem um reservatório de energias e potencialidades, mas que são barradas pelo fantasma da insegurança.
A insegurança actua sobre a personalidade e varia de indivíduo para indivíduo, até poder tornar uma pessoa neurótica.
O medo reprimido pode piorar a situação, crescendo e derramando-se em todas as situações da vida.
Como este comportamento não é espontâneo, conservar as máscaras por muito tempo exige esforços que desgastam por demais as energias psíquicas.
O medo não desaparece com a repressão, apenas é sepultado vivo e continuará exercendo toda a sua influência desde o inconsciente e se manifestará mais clamorosamete nos sintomas patológicos.
Na repressão há duas emoções em confronto.
Dá-se a repreensão propriamente dita quando a emoção reprimida fica fora do controle da razão e da vontade.
As emoções podem e necessitam de ser controladas pela inteligência e pela vontade.
(continua)

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

A INSEGURANÇA INTERIOR

-------------------------------

O que faz a insegurança
.
É doloroso e desconfortável ser vítima da irresolução e da insegurança. Estas pessoas acabam por se odiar a si mesmas e a auto-punir-se.
Se a insegurança é sintoma de neurose, reagir com irritação vem somente alimentar mais a neurose.
Adquire-se segurança à medida que se amadurece, que se distancia o adulto da criança.
Isto é tarefa de toda a vida.
.
Pais que afirmam
.
Toda a pessoa para se sentir segura necessita de ser afirmada desde os primórdios da sua existência.
Se o bebé for deixado por si só não poderá subsistir.
Precisa de alguém que tome conta dele e providencie às suas necessidades.
À medida que o bebé cresce, os seus meios de comunicar-se multiplicam-se: voz, gestos, balbucia, exprime prazer, caminha, procura outras pessoas.
Quando as suas necessidades não são satisfeitas "agora, já", as reacções são de raiva e de ansiedade.
O bebé tem necessidades físicas: de alimento, de calor e de conforto; mas o que mais necessita é de companhia e de sentir que não está sozinho para poder formar a experiência de que é aceite, que é um ser que existe. Dá-se conta disso pelo tacto; mais tarde pelo ouvido, com o qual escuta a voz amável e a vista para reconhecer o acariciante olhar de sua mãe, a cuja ternura ele reponde com uma tentativa de sorriso.
Os dois sentidos a desenvolver-se primeiro são o tacto e o ouvido e já na fase intra-uterina.
O feto já reage com calma e serenidade ou com excitação e nervosismo, conforme o som for sereno e calmo, ou agitado e estridente.
Esta sensação de que não está sozinho é muito importante para o bebé. Sente-se mais firme e mais forte pela satisfação das suas necessidades físicas e psíquicas.
No seu interior vibra a harmonia.
À medida que vai crescendo, vão surgindo novas necessidades e novas potencialidades, tal como a inteligência e a vontade.
Assim ele vai fazendo cada vez mais a consciência de que é amado, com um amor que lhe assegura uma duradoura solicitude e um cuidado efectivo pela sua pessoa.
A não satisfação equilibrada das necessidades do bebé e o não aparecimento da consequente afirmação, vai-o deixando num estado psíquico de insatisfação, de frustração, que envolve todo o seu ser e impregna toda a sua vida emocional com profundo sentimento de inquietação, de irresolução e insegurança.
Essas sensações gravam-se tão profundamente na vida psíquica que continuam a dar as cores a toda a vivência emocional, até na vida adulta, tornando-se aqui uma sensação de incompetência.
A pessoa vê-se crescida fisicamente e até pode ter atingido graus académicos na área intelectiva.
Tem nas suas mãos tarefas e cargos importantes.
São pessoas vistas como adultas e assim são tratadas.
Elas porém dão-se conta da dificuldade em responder aos desafios da realidade.
Vivem muitas vezes torturadas pela angústia da decisão e das responsabilidades.
Hesitação e indecisão são duas constantes nos neuróticos de frustração e de insegurança.
A descontrolada ira dos pais corrói a afirmação dos filhos
- Os pais, como toda e qualquer pessoa, são abalados por acessos de raiva.
Essa raiva descontrolada diante dos filhos tem consequências profundas e, infelizmente, nefastas.
Há casos em que essa raiva não é dirigida aos filhos, mas sim a alguém que lhes é muito querido: mãe, irmão, amigo e isso é suficiente para causar timidez e insegurança.
(continua)

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

O ENTUSIASMO DA FÉ

----------------------------------
SERÁ QUE SE PODE CRER EM DEUS SEM ENTUSIASMO?
Não será isso, uma espécie de “anemia espiritual”?
Uma doença da alma e do espírito, a indiferença espiritual.
A fé pode ser um terramoto, não uma sesta.
A fé pode ser um vulcão, não uma rotina.
A fé pode ser uma ferida, não uma crosta.
A fé pode ser uma paixão, não um puro sentimento.
COMO SE PODE CRER DEVERAS
QUE DEUS NOS AMA E NÃO SER FELIZ?
Como podemos pensar no amor total e sem limites de Jesus Cristo sem nos estalar o coração de amor por Ele e pelo Seu Reino?
É o encontro com Cristo na intimidade, na oração, na fé, no amor, na esperança que nos leva a ser de verdade cristãos, apaixonados pela causa de Deus e pela causa do Homem.
As pessoas acreditam nas coisas do mundo com paixão, com entusiasmo, ao passo que muitos cristãos acreditam em Deus sem paixão, sem entusiasmo, sem alegria.
Um cristão deve falar de Deus como um apaixonado e enamorado fala da sua amada.
Não se pode falar da fé em Deus como um conjunto de sacrifícios e renúncias que a fé traz.
Amar a Deus e a Jesus Cristo não pode ser um sacrifício, um fardo que se carrega, um peso.
Tem de ser um “gozo”, uma alegria, uma felicidade, uma libertação.
Claro que, quando se ama a sério, o amor traz sempre alguns sacrifícios, renúncias, mas o que se ganha é muito superior ao que se deixa livremente.
Deus amou-nos primeiro e o cristão católico é chamado a ser testemunha desse amor, mas só o será se estiver cativado, apaixonado por esse mesmo Deus, pelo encontro com Jesus Cristo.

Pe. Albano Nogueira