Número total de visualizações de página

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

JESUS EXPULSOU DEMÓNIOS?


Consulte o meu outro blog:

Os evangelhos foram escritos há quase dois mil anos e usaram a linguagem, os conhecimentos e a cultura daquela época.
No tempo de Jesus não havia conhecimentos médicos científicos como nós temos hoje. Não se conheciam as doenças, nem os seus nomes, nem as suas causas. Todo o mal era atribuído aos demónios, a Satanás, e esse ser do mal com muitos nomes.
Se uma pessoa tinha uma tosse convulsa, febre, desmaiava (como os epilépticos desmaiam), e outros sintomas e dores, logo se dizia que tinha um demónio a atormentá-la.
Jesus veio inaugurar o Reino de Deus, veio trazer Deus à terra, veio trazer a salvação, a vida, a saúde, veio combater todo o tipo de mal: o mal do corpo (doenças), o mal da alma (doenças psíquicas) e veio combater o pecado (perdoando, reconciliando).
Sendo assim, quando o evangelho diz que Jesus curou uma pessoa expulsando dela o(s) demónio(s), nós temos de perceber o seu significado. Não podemos concluir que Jesus tenha expulsado aquele “ser” do mal, só mal, totalmente mal a que costumamos chamar de demónio ou Satanás. O que concluímos é que Jesus curou essa pessoa libertando-a do mal que a oprimia e não a deixava ter saúde, ter alegria e ser feliz.
Para dizer que Jesus a curou e como o mal era, naquele tempo, todo atribuído aos demónios, os evangelistas usando a mentalidade daquele tempo, diziam que Jesus expulsou os demónios, mas a mensagem do evangelho é que Deus não quer o mal, Jesus veio unir-se a nós para combater o mal que há dentro de nós no corpo, no coração, na mente, na alma, no espírito.

ESTEJA ATENTO. ACORDE


Por isso é que, hoje, os católicos têm de estar atentos, não serem ignorantes, nem se deixarem enganar por certas realidades e pessoas onde o demónio está sempre presente, ou então “as almas do outro mundo”.
Refiro-me a certos grupos religiosos (até cristãos) que falam constantemente na expulsão dos demónios no seu culto religioso (Xô Satanás… Sai desta pessoa, etc), ou então nos curandeiros, bruxos e bruxas que vão buscar as almas de alguém que morreu para dizer que se meteu no corpo de outra pessoa e a pôs doente.

NÃO ACREDITE NISSO

Não seja ignorante, não faça figuras tristes, não dê o seu dinheiro a quem está a explorar a vossa doença, a vossa fragilidade, a vossa aflição, o vosso desconhecimento das verdadeiras causas da vossa doença.
Quem está doente do corpo ou da alma procure um bom médico, procure um sacerdote, confesse-se, reze, leia a Bíblia, participe na Eucaristia, comungue, receba a paz, o perdão e o amor de Jesus Cristo e vai ficar limpa de todo o mal.
Esse é o caminho certo. Os outros caminhos são errados. Claro que, quem quiser, pode seguir esses caminhos errados… Eu só estou a cumprir o meu dever: ensinar, guiar, orientar, apontar o caminho certo, dizer a verdade.
A Igreja Católica já pensou também dessa maneira. Felizmente que hoje temos um melhor conhecimento da verdade religiosa e da verdade acerca da pessoa humana e a Igreja Católica mudou o seu discurso, embora se encontre ainda muita referência ao demónio e a Satanás, mas com o símbolo do mal.

Que Deus te ajude e abençoe, meu irmão e minha irmã
P. Albano Nogueira

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

POR FAVOR, NÃO VÁ AO BRUXO OU À BRUXA


Consulte o meu outro blog:

http://deixadeusentrar.blogspot.com

Uma das realidades que atrai muita gente que se sente doente da mente, com problemas no corpo, na alma, no amor, nos negócios e procura o remédio para os seus males é o fenómeno da adivinhação: cartomantes, horóscopos, bruxaria, espiritismo, e todas outras realidades semelhantes.


Muita gente tem problemas no corpo e sobretudo na alma, no espírito, no seu pensamento, nos seus sentimentos e esses problemas podem afectar mais ou menos as pessoas e estas podem ficar mais ou menos doentes. A pessoa doente do seu psíquico fica afectada fisicamente porque a pessoa é um todo unido: corpo, pensamento, sentimentos, alma, espírito.


Vão aos médicos e, muitas vezes, os remédios não actuam porque os remédios actuam mais no físico (nos efeitos e não nas causas) e a origem (as causas) desses problemas são psíquicos e, como os remédios não curam, então vão a esses lugares citados sobretudo à bruxaria.


As pessoas ligadas a esta área do conhecimento (ou desconhecimento) falam quase sempre em realidades pouco credíveis ou até falsas e mentirosas: foi um mau olhado, uma praga, um feitiço, uma amarração, tem a morada aberta, é uma alma do outro mundo, é o demónio, etc.


São as razões que, segundo os ditos bruxos ou bruxas, levam as pessoas a ficarem doentes.


Eu gostaria de dizer a quem me lê: não se deixe enganar por essas pessoas. Todas essas causas são falsas, são erradas, são mentirosas.


Se está doente vá a um médico, fale com um sacerdote, desabafe, fale com a família. Tem problemas, desabafe, não os guarde.


Há uma razão que eu diria quase universal que leva as pessoas a ficarem doentes no seu psíquico: TEREM SIDO MAL AMADAS.

Então, se foram mal amadas e ficaram doentes, precisam de SER BEM AMADAS para se curarem...

Se uma pessoa não foi bem amada pelos pais, pelos parentes, pelos vizinhos, pelos colegas da escola ou do trabalho, pelos amigos, etc... Ela não quer viver, não gosta de viver. Por isso, vive angustiada, ansiosa, tem medo, sente-se só, não quer comer, e se comer rejeita a comida vomitando, quer morrer. A vida sem amor, sem a amizade dos outros, para esta pessoa não presta e até pode ter bens materiais abundantes...


A pessoa que FOI E É BEM AMADA, não fica doente da sua mente, do seu psíquico. Ou então, se foi bem amada não interiorizou de forma correcta essa certeza.


Você está doente da sua mente? Tem alguém que conhece e está doente? Eu gostaria de vos dizer: não foi um mau olhado, uma praga, um feitiço, uma amarração, uma alma do outro mundo ou o demónio que pôs essa pessoa doente.


Não vou falar do que diz a Bíblia contra a adivinhação, a bruxaria, etc pois lá se condena abertamente essas realidades. Essa é mais uma razaão para eu pedir às pessoas a não irem a esses lugares.


O que gostaria de alertar as pessoas é que todas essas razões são ENGANOS, FALSAS RAZÕES E MUITA MENTIRA. POR ISSO, NÃO ACREDITEM, NÃO SE DEIXEM ENGANAR, NÃO GASTEM O VOSSO DINHEIRO AÍ. Ir a esses lugares quase sempre ainda põe as pessoas mais doentes, pois quanto mais acreditarem nessas mentiras, mais doentes ficam.


Muita gente me tem procurado e eu (gratuitamente) tenho ajudado as pessoas a compreender o que se está a passar para elas melhorarem e se curarem psiquicamente.


Quem está doente da sua alma, da sua mente, psiquicamente, precisa urgentemente DE SER MUITO AMADO(A), ACARINHADO(A), COMPREENDIDO(A), APOIADO(A), SER BEM ACEITE.

Quando a pessoa se sentir amada por Deus e pelas pessoas, curar-se-á.

Acredita em mim... Sei o que digo... E digo o que sei...

Não há almas dos defuntos, nem demónios a pôr as pessoas doentes...

Não há "mau olhado", pragas, feitiços, "amarração" a pôr as pessoas doentes. Não acredite nisso. Há seitas que exploram a ignorância das pessoas com exorcismos em todas as sessões dizendo: "Xô Satanás... Em nome de Jesus, espírito do mal, sai dessa pessoa...".
Ainda bem que a Igreja Católica evoluiu neste campo e hoje se compreende melhor o porquê de tantas doenças psíquicas e mentais que nada tem a ver com demónios ou almas do "outro" mundo...

Não se deixe enganar, nem iludir. NÃO ACREDITE NISSO.

A cura vem pelo AMOR SINCERO E CONTÍNUO a quem está doente.

Que Deus te abençoe e cure, meu irmão que me lês e acompanhas. E que Jesus Cristo seja a certeza de que Deus TE AMA INFINITAMENTE, GRATUITAMENTE E SEM CONDIÇÕES... Se Deus Te ama, nada temas...


P. Albano Nogueira


sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

PERGUNTE QUE EU RESPONDO








TENS DÚVIDAS DE FÉ? QUERES FAZER ALGUMA PERGUNTA SOBRE RELIGIÃO CRISTÃ OU SOBRE A IGREJA CATÓLICA?




"A IGNORÂNCIA É O MAIOR INIMIGO DA IGREJA CATÓLICA" - João Paulo II



Envia por email a tua pergunta e eu respondo, conforme souber. Este blog será um espaço interactivo dedicado a perguntas sobre a FÉ CRISTÃ professada na Igreja Católica e eu tentarei dar as respostas que souber. Se não souber direi que não sei.



Obrigado.



Padre Albano Sousa Nogueira




COMO SE CHEGA A DEUS?



Um anónimo perguntou-me:


"Será que só por Cristo e a Bíblia se chega a Deus? .

...E os que nascem, sem mais hipóteses, mergulhados em outras religiões?...".


Há muitos caminhos para se chegar a Deus e não apenas por Cristo ou pela Bíblia. Mas, na nossa vida, há caminhos mais directos e mais indicados do que outros para se chegar a um determinado lugar.

Durante muitos séculos se dizia que o cristianismo e ainda mais a Igreja Católica era o único caminho para se salvar.

Depois do Vaticano II (1962-63) e já lá vão 46 anos desde o seu encerramento, começou a afirmar-se que fora da Igreja Católica também há salvação.

Os documentos do Concílio Vaticano II afirmam que Jesus Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida como diz a Bíblia e a Igreja Católica ensina. Mas ensina também que fora da Igreja Católica, noutras religiões não-cristãs também há sementes de verdade e também há salvação.

A Igreja Católica nada rejeita do que nas outras religiões existe de verdadeiro e santo. Olha com respeito esses modos de pensar e agir, esses preceitos e doutrinas se possuirem um raio de luz que ilumina todos os homens.

No entanto a Igreja tem a obrigação de anunciar continuamente a Jesus Cristo porque é a revelação do verdadeiro Deus e a revelação da verdadeira identidade da pessoa humana. A verdade é Jesus Cristo e a verdade deve ser anunciada.

Exorta-se o diálogo e a colaboração com outras religiões e que não haja descriminação, nem violência por causa da religião.

Assim, a Igreja afirma que se as religiões orientarem as pessoas para o bem, para o respeito entre os povos e os seus seguidores cumprirem essas orientações para a fraternidade universal no respeito e na amizade, essas pessoas também conseguem a salvação.

Jesus veio salvar a todos e Deus quer que todos se salvem. Há muitas pessoas que não têm culpa por terem nascido e sido educadas noutras religiões, muitas das quais nem sequer ouviram falar de Jesus Cristo. Por isso, se não têm culpa por não conhecerem a verdade de Deus e de Jesus, não merecem ser condenadas.

Acrescento ainda que dentro da pessoa existe a sua consciência que a pessoa deve seguir e lhe diz que deve fazer o bem e rejeitar o mal.

Se seguir esta orientação da sua consciência, também se salvará.



P. Albano Sousa Nogueira

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

QUE DEUS É ESTE?



"Que Deus é este que nos ensina a humildade, mas que não desce de seu pedestal, e a quem devemos obediência, respeito, lealdade e fé?"

Recebi este comentário e vou tentar responder.


Quando falamos de Deus, o cristianismo ensina que Deus é uma Família: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
Assim, é sempre bom distinguir se falamos do Pai, do Filho ou do Espírito Santo, embora, muitas vezes possamos falar simplesmente de Deus. Neste caso, eu vou distinguir para responder à questão que me foi posta por um anónimo.

* * * * * * * * * * * * * *

Celebramos há pouco tempo o Natal que nos recorda precisamente a Encarnação (ou Incarnação)do Verbo, da Palavra, do Filho de Deus que é Deus de Deus, Luz da Luz, quer dizer é Deus como o Pai. O Verbo encarnou, o Filho encarnou, fez-se humano e falou e viveu ao jeito humano igual em tudo menos no pecado.



Ou seja, no Filho, Deus desceu verdadeiramente do seu pedestal, do seu silêncio, da sua distância, da sua indiferença e tornou-se próximo, amigo, companheiro fiel, solidário connosco.

Se o Verbo, o Filho de Deus, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade encarnou, isto tornou Deus visível, presente no meio de nós (há 2009) anos de forma bem real em Jesus Cristo: fazendo o bem, sarando, curando, perdoando, ensinando, amando, sofrendo, chorando, rindo, comendo e até morrendo como nós. Não podia descer mais do pedestal e fazermos mais solidário connosco.

Deus (na pessoa do Filho) até sofreu e morreu como nós mas dar sentido ao nosso viver e ao nosso morrer.

É por isso que este Deus em que eu acredito é tão maravilhoso e tão atraente que, sendo grande, se fez pequeno, sendo rico se fez pobre, sendo poderoso se fez fraqueza para não esmagar os humanos com a Sua grandeza e o Seu Poder, mas para atrair a si pela ternura e pelo amor encarnado em jesus Cristo e nos seus seguidores; veio à terra para dar a mão e levantar os humanos das suas fraquezas e os elevar a uma condição excepcional: torná-los filhos adoptivos dando-lhes todos os bens materiais e os bens espirituais e candidatando-os a receber a herança máxima dos filhos de Deus: a salvação e a felicidade eterna.



Isto foi há 2009 anos. Agora temos de ser nós (eu e tu) a mostrar Deus, a torná-lo presente no mundo através de todo o bem que possamos fazer para sermos já felizes neste mundo.

Deus, o cristianismo são propostas de vida: ensinam-nos o caminho da felicidade e da salvação. Depois, cada um é que tem caminhar por si mesmo na total liberdade fazendo as escolhas que entender. Um dia será responsável por essas escolhas, como acontece já neste mundo.

Como um bom pai e uma boa mãe ensinam o bom caminho aos seus filhos, mas os filhos (e infelizmente muitos o fazem) não seguem o caminho do bem indicado pelos pais e seguem caminhos do mal que os pode levar à infelicidade, à tristeza e ao sofrimento sem sentido.

Deus ama-nos tanto que respeita a nossa liberdade de forma total.

Jesus Cristo (para quem O conhece) é o Caminho para a pessoa ser feliz. Deus não obriga a amá-l'O, a respeitá-l'O, a obedecer, a acreditar. Muitos não o fazem.

Sou eu e tu que temos de escolher, sabendo nós o caminho ensinado por Jesus Cristo e continuado pela Igreja Católica e por muitas outras religiões, podendo segui-l'O ou não.
Obrigado a quem perguntou que ajuda outros a tirar as suas dúvidas.

P. Albano Nogueira



quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

A QUESTÃO DE DEUS



albanosousanogueira@sapo.pt
http://deixadeusentrar.blogspot.com/

A QUESTÃO DE DEUS

Podemos falar de Deus a partir de cima, do próprio Deus revelado na Sagrada Escritura, seguindo o método indutivo ou podemos falar de Deus a partir de baixo, das coisas criadas, a seguindo o método dedutivo.
Se um amigo nos disser que viu outra pessoa passar na praia e merecer crédito nós acreditamos no testemunho dessa pessoa, embora não tenhamos visto esse acontecimento. É o que muitas vezes fazemos de Deus: aceitar o que outros viram e ouviram e deixaram por escrito na Bíblia acerca de Deus.
Mas se nós virmos na praia umas pegadas na areia de uma pessoa ou de um animal que tenha passado, nós pensamos e deduzimos (concluímos) que por ali passou gente ou um animal pelas marcas. Nós não vimos, mas há uma marca, um sinal, uma pegada e sabemos a certeza que por ali passou alguém ou um animal.
É isso que podemos fazer muitas vezes em relação a Deus. Quem tem fé conclui, deduz que há Deus e aceita também o que dele está escrito na Bíblia.
“Deus não fala, mas para quem acredita, tudo fala de Deus”.


1- A existência do ser humano inclui uma tendência para um Ser Absoluto no existir, na verdade, na vida e que a revelação cristã descreve com a palavra DEUS.
O estudo dos povos primitivos diz-nos que os homens sempre acreditaram num ou em mais seres superiores, acreditaram num Deus ou em vários deuses.
Com a revelação do Antigo Testamento a ideia e o conceito de Deus foi-se purificando e aperfeiçoando, passando Deus a ser compreendido como Alguém que não se consegue atingir, que ultrapassa a inteligência humana. Por isso, se torna difícil falar de Deus.
A questão de Deus mexe com toda a existência humana. Por isso, o homem não se pode calar perante a realidade que é Deus.


2- O homem vive o mistério de Deus como uma certa ausência de Deus. Deus e o homem afastaram-se bastante um do outro e Deus parece que se escondeu aos olhos dos homens. Por isso, torna-se muito difícil conhecê-l' O.

Não é fácil provar a existência de Deus, pois Ele nem sempre é evidente.
Deus como que vive escondido do homem e não é muito evidente porque é Invisível, não palpável.
Hoje muita gente só acredita naquilo vê, ouve, toca, experimenta e Deus não é desta dimensão natural. É SOBRENATURAL.


3- Como Deus não é totalmente evidente surgiu o fenómeno da negação de Deus, chamado ateísmo. O ateísmo é uma doutrina que professa que não há Deus.

O ateísmo teórico afirma que não há Deus. Claro que as razões invocadas não são suficientes para justificar o ateísmo teórico. Pode justificar o ateísmo prático, isto é, uma maneira de viver a vida sem Deus, como se Deus não existisse, embora na cabeça muitas dessas pessoas tenham uma certa noção de Deus.
Há muita gente, inclusive católicos, que vivem um ateísmo prático, vivem na prática como se Deus não existisse: não praticam a religião, não rezam, não se relacionam com Deus ou porque as suas vidas não têm nada de Deus no sentido da verdade, da rectidão, da justiça, do amor, da fé, da solidariedade.
Se é muito difícil provar que Deus existe, ainda mais difícil provar que Deus não existe.
Por um acto da sua vontade o homem pode negar a Deus. Não é tanto uma descoberta da inteligência que leva a dizer que não há Deus. É antes um acto da vontade, uma decisão mais ou menos consciente que leva uma pessoa a não acreditar em Deus


A partir desta negação de Deus o ateu substitui essa fé em Deus, na fé em outros seres ou outras realidades. Deixa de adorar a Deus para adorar as coisas e as pessoas e faz idolatria.
É em termos da palavra e categoria 'Pessoa' que nós podemos falar de Deus.
A Bíblia ao falar de Deus apresenta-O como um ser pessoal no sentido da palavra DEUS abarcar a ideia de uma realidade individual, um sujeito, um 'EU' concreto e que, como tal, estabelece com os homens uma relação pessoal. Deus é 'Pessoa' porque se relaciona na liberdade e na dignidade com os humanos.

Na Sagrada Escritura Deus aparece a falar com o homem e a mulher usando, quase sempre, o pronome pessoal EU, dirigindo-se ao homem por um "tu".
Assim, ao falar de Deus, nós temos de falar de um SER PESSOAL, com atributos, com qualidades. Estes atributos humanos aplicados a Deus têm de ser purificados de todas as imperfeições, de todas as limitações.

Se dizemos que Deus é Bondade, ela é muito superior à bondade que possamos ver nas pessoas. A nossa bondade é limitada, a bondade de Deus não tem limites.
Poderíamos dizer que nós temos um pouco de Bondade, mas Deus é a Bondade.
O mesmo se diga da Vida, da Beleza, da Sabedoria, do Poder, da Liberdade, da Inteligência, da Generosidade, da Paciência, do Amor, etc...
Nós temos um pouco dessas qualidades: vida, beleza, sabedoria, poder, liberdade, amor, etc, mas podemos perder isso e muitas vezes perdemos. Deus é diferente. Em Deus essas qualidades fazem parte do seu ser. Por isso nunca as perde.
Deus é VIDA e nunca a perde; Deus é Poder e nunca o perde; Deus é a Sabedoria, o Amor, a Inteligência, etc, e nunca perde essas qualidades.

Nós só podemos falar de Deus de forma imperfeita. Mas depois de Deus se ter revelado, de se ter mostrado, de se ter dado a conhecer no Bíblia e em Jesus Cristo, podemos falar e conhecer melhor a Deus.
Pela revelação, Deus baixou até nós e comunicou connosco segundo a linguagem humana e tornou possível exprimi-l' O com palavras humanas, pois, pela criação e graças a ela, o homem é um ser chamado a falar de Deus e com Deus.
Deus aproximou-se de nós pela revelação Bíblica, pela comunicação com alguns homens em concreto e com um Povo e por essa revelação, nós percebemos que Deus não é uma ideia abstracta, ou o Ser Supremo.
Pela revelação ficamos a saber que Deus é o Senhor da História, que Deus se inclina para o homem, dá-lhe a sua graça, ama-o e salva-o.
Sabemos que a revelação maior de Deus foi em Jesus Cristo. Por isso, falar de Deus implica relacioná-l'O sempre com o aparecimento no mundo de Jesus Cristo, Deus e Homem ao mesmo tempo, Filho de Deus e Filho de Maria de Nazaré.
Assim, a imagem de Deus trazida pela revelação bíblica tem de ser apresentada sob a luz que vem de Cristo. Se não conhecermos Jesus Cristo, também não conhecemos a Deus. O que o Amor, a Verdade, a Santidade, a Misericórdia e a Justiça de Deus significam só o sabemos em face daquilo que Jesus Cristo nos revelou do próprio Deus.

Apesar de tudo o que Jesus disse e fez não é suficiente para provar a existência de Deus. Pois muitos viram milagres e ouviram o que Ele disse de Deus e mataram-no. Por isso não admira que continue a haver ateus =pessoas que não acreditam em Deus.
Mesmo depois da revelação, a pessoa humana, para acreditar em Deus tem de fazer uma opção, uma escolha: escolher acreditar em Deus ou não acreditar.
Se acreditar, esta opção compromete toda a sua vida para a renovar, a transformar e cada pessoas participar daquela VIDA ABUNDANTE que o Deus de Jesus Cristo nos tem para oferecer.
Deus é o amigo de TODAS AS HORAS. Não pode ser o 112, o bombeiro, o pronto socorro para quando estamos aflitos na vida. Isso é fazer de Deus um deus menor, um ídolo, um falso deus.

Deus é AMOR que a todos AMA e deseja SER AMADO, para dar mais sentido à vida humana em todas as idades e circunstâncias.

P. Albano Nogueira

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

QUE SABEMOS NÓS DE DEUS?



http://deixadeusentrar.blogspot.com/

De Deus sabemos muito pouco. Há algumas afirmações seguras (no campo da fé) que podemos dizer de Deus:

1- DEUS É CRIADOR
Deus, de Si mesmo, do seu SER, fez aparecer todas as coisas, ainda que isso tenha acontecido da forma como diz a ciência por meio de um big bang ou grande explosão há 13,7 biliões de anos.
A ciência fala de COMEÇO. A Fé e a Bíblia falam de ORIGEM. A ciência diz que houve um começo por meio de uma explosão de uma certa singularidade que não se sabe bem explicar o que era isso e como é que isso explodiu se nada existia?
Começo e origem não são a mesma coisa. O meu COMEÇO deu-se quando a célula masculina do meu pai (espermatozóide) se fundiu com a célula feminina da minha mãe (óvulo) e deu origem ao ovo (a primeira célula da minha pessoa).
Mas a minha ORIGEM vem de trás, está fora de mim, está nos meus pais.
Assim, o mundo tem um começo, mas a ORIGEM não está nele mesmo, mas fora dele. Ora a ciência não sabe onde está a origem do Universo. Para quem tem fé, a ORIGEM de tudo é Deus.
Muitas vezes usa-se origem e começo no mesmo sentido, mas é errado.
Assim, quem tem fé diz que a ORIGEM do mundo está em Deus e Deus apresenta-se como o CRIADOR, a ORIGEM de todas as coisas criadas.
Tudo o que existe tem um autor. Para mim que tenho fé, o Universo tem um autor. Não existe por si mesmo, não vem de si mesmo, mas de fora de si mesmo. Para quem tem fé em Deus o AUTOR e ORIGEM do Universo é DEUS.

Deus é anterior à Natureza... É eterno, não tem princípio, nem fim.
Tudo o que existe tem uma origem, um Criador e para os crentes é DEUS. Sabemos que DEUS É CRIADOR.

2-DEUS É AMOR
Além de ser CRIADOR, Deus é AMOR, porque cria transbordando amor. Não cria por necessidade, mas por Amor. Os pais criam filhos por amor. Ora, se isso é verdade nos humanos muito mais em Deus. Toda a criação é obra do amor de Deus. A pessoa humana existe por uma decisão livre e amorosa de Deus que quis que os humanos existissem (ainda que tivessem surgido da evolução dos primatas). DEUS CRIA PORQUE É AMOR. O seu amor transborda para os humanos e torna-os capazes de amar a Deus, aos outros, a si mesmos e à natureza.
A grande definição do Novo Testamento é esta: DEUS É AMOR. Deus é Aquele que Ama e tudo o que faz, faz por Amor. Criação de tudo por Deus; a Encarnação (vinda de Jesus à terra), a sua vida, Paixão, morte e Ressurreição são sinais de como Deus nos ama.
Deixa que te pergunte: sentes, percebes, já interiorizaste em ti esta verdade de que Deus te ama? Já fizeste esta descoberta do amor de Deus por ti?
Quando fizeres, isso será uma das tuas maiores descobertas que poderá revolucionar e transformar a tua vida para melhor: saborear que Deus te ama...
Muitos que se dizem católicos afastaram-se de Deus e da prática religiosa porque nunca descobriram o quanto Deus os ama e por isso não correspondem ao seu amor, ignoram-no, desprezam-no. São amados por Deus, mas não amam a Deus.
Sabemos que DEUS É AMOR. Nos ama como o melhor dos pais e a melhor das mães
O Amor de Deus é gratuito, universal, incondicional.

3- DEUS É VIDA
Aquele que gera novos seres gera a vida. Todos os seres vivos geram a vida recebida conforme a sua natureza: vegetal, animal, racional.
Deus não existe da mesma forma que nós existimos. Deus existe de forma absoluta, isto é, tem de existir necessariamente. Nós existimos de forma contingente, isto é, existimos, mas podíamos não existir e um dia vamos deixar de existir… A nossa existência é algo de acidental. A Existência de Deus é ESSENCIAL.
Deus tem o SER da VIDA. DEUS É A VIDA (necessariamente). Nós temos vida.
O SER VIDA é permanente, o TER vida é passageiro e um dia deixamos de ter esta vida (pelo menos a vida biológica).
Deus é o Senhor de tudo e é o Senhor da Vida. Deu aos seres vivos a possibilidade de transmitirem vida. Assim, sabemos que DEUS É VIDA e ORIGEM de toda a vida que há no mundo.
A Sua vida está nos seres vivos, embora de forma diferente: vida vegetativa, animal, humana...
Se DEUS É VIDA, quer dizer que sem Deus o que existe é morte. Quando falo em morte falo de um conceito alargado e não apenas a morte biológica. Morte como solidão, como quebra de relações, morte como ruptura de relações entre os humanos e Deus, dos humanos uns com os outros e com a natureza.
Basta olhar para este mundo sem Deus e vemos o contrário da Vida: a morte, a solidão, a ruptura de relacionamentos.

4- DEUS É RELAÇÃO
Deus não é um ser solitário, isolado, sozinho. Deus é um Ser que vive em relação para dentro de Si mesmo e para fora de si mesmo.
Para dentro de si mesmo existem as relações entre as 3 pessoas divinas (o Pai, o Filho e o Espírito Santo). Deus vive eternamente neste relacionamento interno.
Para fora de Si mesmo, Deus vive em relação com todas as coisas criadas, especialmente com os humanos a quem criou à Sua imagem e semelhança.
O homem será tanto mais imagem e semelhança de Deus quanto mais viver este relacionamento harmonioso com Deus, com os outros, consigo mesmo e com a natureza.
O contrário da relação, da solidariedade é a solidão, a desunião, a ruptura.

5- DEUS É SALVADOR, LIBERTADOR.
A história bíblica relata-nos Deus a Salvar o Povo Hebreu e Jesus Cristo apresenta-se como o Salvador de todos… Todas as acções de Jesus combatendo o mal do corpo, da mente, do coração(doenças) e o mal da alma ou do espírito humano (pecados) querem dizer isso: Deus quer salvar, libertar, dar vida abundante e feliz aos humanos seus filhos.
Deus quer que todos se salvem, mas pede a nossa colaboração para que isso aconteça.
O amor Criador de Deus levou-O a tudo fazer para libertar e salvar os humanos da miséria, da dor, do sofrimento, da morte, da condenação e dar-lhes a vida abundante que há em Deus.
O mal existe e Deus uniu-se a nós no combate a esse mal. Jesus morreu para vencer o mal que oprime e torna infeliz os humanos. Tornou-se solidário connosco vivendo a nossa vida em tudo menos no pecado para lhe dar sentido.
Jesus curou, sarou muitas pessoas, perdoou os pecados, abençoou, santificou, ressuscitou 3 pessoas. Tudo isto significa luta de Deus (Jesus é o Filho de Deus) contra o mal. Para Salvar, para libertar do mal e para aumentar o bem e dar a todos uma VIDA e VIDA ABUNDANTE neste mundo e no mundo que há-se vir com a morte.
Deus é CRIADOR; mas existe algo que é destruidor. Deus é AMOR, mas existe também o ódio. Deus é VIDA, mas existe a morte, a solidão, o isolamento. Deus é RELAÇÃO, mas existe também a quebra de relações, as rupturas...
A cada pessoa compete escolher se quer estar do lado de Deus, da Criação, do Amor, da Vida, da Relação ou do lado do mal, da destruição, do ódio, da morte, da ruptura e do isolamento em relação a Deus e aos outros.


P. Albano Nogueira

sábado, 3 de janeiro de 2009

PENSAR EM DEUS...



http://deixadeusentrar.blogspot.com/


1- Uns dizem: é demasiado cedo para pensar em Deus...

2- Outros estão muito seguros de si mesmos para pensar em Deus. Têm saúde, dinheiro, emprego, não preciso de Deus. Deus não lhes faz falta.

3- Há aqueles que estão tão felizes que não precisam de pensar em Deus. A sua felicidade basta-lhes e Deus não lhes é necessário.

4- Ou então aqueles que vivem tão ocupados que não têm tempo para acreditarem em Deus. Só há tempo para trabalhar.

5- Ainda existem aqueles que ficam tão cansados pelo trabalho que não têm disposição de acreditar em Deus. o Domingo é para descansar, mas sem religião...

6- Outros ainda estão tão doentes que a dor lhes torna difícil pensar em Deus. A doença leva a sentir a ausência de Deus.
7- Muitos não percebem bem para que é que se precisa de Deus, de rezar, de oração, de religião. Deus parece não fazer falta para nada. A vida corre na mesma com ou sem fé em Deus... Havendo bens materiais, bem estar, saúde, família, amigos, parece que Deus para nada serve...

8- Um dia, talvez, seja tarde demais para alguns pensarem em Deus.

E TU, MEU AMIGO, TENS TEMPO PARA PENSAR O QUANTO DEUS DE JESUS CRISTO TE AMA? O QUANTO O DEUS DE JESUS CRISTO PODE DAR SENTIDO À TUA VIDA?

P. Albano Nogueira

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

PORQUE É QUE MUITOS NÃO ACREDITAM EM DEUS?




PERGUNTE QUE EU RESPONDO


http://deixadeusentrar.blogspot.com/

A fé em Deus vem-nos bastante pelo testemunho dos outros.

Se algumas pessoas não acreditam em Deus isso deve-se a muitas razões. Vou apontar algumas:


1- O testemunho dos crentes não é suficientemente feliz para ajudar os outros à fé em Deus. Muitos católicos não dão testemunho de alegria, de pessoas felizes, de pessoas salvas.


2- Talvez outros fiquem chocados pelas injustiças e pelo mal cometido por alguns dos que dizem acreditar em Deus.


3- Alguns não acreditam em Deus porque isso exige mudar de vida, amar de verdade, pensar nos outros, dedicar-se, abandonar os maus comportamentos. E como não querem mudar dizem que não acreditam ou não acreditam mesmo porque não lhes convém.
O ideal que Jesus nos ensinou é viver sem fazer o mal, sem pecar, é um ideal de perfeição, de santidade. Ora isso não agrada a muitos...


4- Talvez não houvesse ninguém que conseguisse falar de Deus a essas pessoas com palavras que satisfizessem a sua inteligência e o seu coração. Talvez façam perguntas a que ninguém ainda lhes soube responder de forma satisfatória. O problema do mal que há no mundo leva alguns a não aceitar a existência de Deus. Deus parece que se cala, nada diz e não intervém diante do mal que há no mundo. (Só que Deus sempre falou e fala através de outras pessoas, se as ouvirmos, ouvimos Deus a falar...).

5- Deus não é evidente, material, visível, natural. Deus é Invisível, Sobrenatural, não se vê, não se ouve, não se toca e como a pessoa está muito voltada para as realidades materiais, visíveis, sensíveis, não captam Deus que exige o envolvimento de toda a pessoa. E, assim, não acreditam em Deus. Deus não se impõe de forma evidente porque quer respeitar a nossa liberdade e, assim, ter o mérito de acreditar de forma livre e não por uma imposição. Se Deus se mostrasse totalmente, éramos obrigados a aceitá-l'O e, então já não tínhamos mérito, não éramos livres.
6- Há aqueles que não acreditam em Deus porque receberam uma educação desde a infância ouvindo sempre dizer que não há Deus.
7- Outros ainda não acreditam em Deus porque só acreditam na ciência, na técnica, no que se pode comprovar e Deus não é captado por aparelhos, por máquinas, não se pode experimentar de forma sensível. E numa época dominada pela técnica, Deus não se capta pelos computadores e então, como não se vê, muitos não acreditam.
8- Ainda há aqueles que dizem não acreditar em Deus, vivem como se Deus não existisse, mas no fundo muitos acreditam em Deus e quando estão aflitos ou na hora da proximidade da morte ficam com muitas dúvidas e até fazem oração a Deus.
9- É mais fácil viver e dizer que não se acredita em Deus porque isso facilita a vida. O mais fácil é fazer o que agrada, o que convém, muitas vezes de forma egoísta e viver uma vida sem exigências de aperfeiçoamento, rasteira, banal, medíocre e seguir a inclinação dos instintos que, às vezes, em vez de elevar a pessoas, degrada a pessoa. Então, quem quer viver assim, não lhe convém acreditar e seguir as exigências de acreditar no Deus revelado por Jesus Cristo.
10- Muitos não acreditam porque está em causa a liberdade de cada um. Deus não obriga ninguém a acreditar n'Ele, pois Ele criou seres livres capazes de dizer o "Sim creio" da fé ou o "Não, não creio" do ateísmo.


P. Albano Nogueira