Número total de visualizações de página

sexta-feira, 5 de junho de 2009

FÉ, REVELAÇÃO E SALVAÇÃO



Primeiramente, os homens começaram por imaginar a existência de Deus. Começaram a imaginar que tinha de existir Alguém mais forte do que eles, mais poderoso do que eles.
As pessoas tinham de enfrentar dificuldades, perigos, obstáculos. Esses perigos vinham da natureza: do clima muito quente ou muito frio, da seca, das inundações, das tempestades, das trovoadas, dos animais selvagens, das doenças, dos outros homens, da morte.
Assim, a primeira ideia de Deus é inventada, criada pelo ser humano que supõe existir alguém que o possa ajudar nas suas adversidades e perigos.
A própria natureza (tempestades, inundações, etc) é vista como sinal de algum Deus enraivecido e furioso que é preciso acalmar através de orações e sacrifícios.
Esta é a primeira ideia de Deus que aparece em todos os povos primitivos. Todos os povos primitivos revelam uma crença no sobrenatural, num ou em vários deuses, que podem dominar as forças adversas, inimigas que colocam em perigo a vida e a sobrevivência humanas.
Esta crença humana no sobrenatural abarca também uma vida depois da morte, a vida do além túmulo. Os povos primitivos acreditam na vida depois da morte. Por isso, fazem cerimónias religiosas em honra dos mortos e até colocam junto deles os objectos usados nesta vida pensando que eles iriam continuar a precisar deles.
Depois, vem a segunda ideia de Deus, fruto da revelação.
Após ter criado o homem e permitir que ele tenha evoluído para um estado civilizacional mais adiantado, Deus revela-se. Deus mostra-se, dá-se a conhecer.
Passaram-se milhões de anos e Deus sai do seu anonimato, revela-se a um Povo- o povo hebreu, ou povo judeu, ou o povo de Israel.
Então, agora já não é o homem a imaginar a existência de Deus, mas é o próprio Deus que se dá a conhecer. O próprio Deus que diz: "Eu existo, Eu sou único. Não existe outro Deus além de Mim. Tudo o resto são ídolos, falsos deuses criados pela imaginação do homem".
Esta é a grande distinção entre as religiões. Umas são de iniciativa humana. É o homem que imagina e cria um Deus segundo o seu pensar. São as religiões naturais e naturalistas, as religiões orientais, asiáticas, africanas e outras.
Outras religiões são reveladas, são de iniciativa divina. É o caso da religião judaica, da qual nasce Jesus Cristo que dá origem ao Cristianismo. A religião judaica e cristã são de origem divina. A diferença está em que muitos judeus não aceitaram Jesus Cristo como o Messias, o Salvador, o Libertador enviado por Deus e ainda hoje esperam esse Messias, enquanto que os cristãos aceitaram Jesus Cristo como o Filho de Deus. Se é o próprio Deus a falar e a dar-se a conhecer, essa é que é a verdadeira religião.
Este Deus revela-se com um Deus Salvador que liberta o povo eleito de situações adversas, de perigos, da opressão e escravidão, para o introduzir numa terra de paz, de liberdade e de abundância.
Este Deus revela-se também como o Deus Criador. A primeira revelação de Deus foi feita pela Criação. Deus revela-se, dá-se a conhecer pela criação. Ao ver a ordem, a beleza, a harmonia, a força evolutiva da criação, o homem pôde chegar à conclusão da existência de Deus. Quando vemos uma pegada na areia dizemos que passou uma pessoa ou um animal por ali. Não vimos a pessoa, ou o animal, mas chegamos á conclusão ao vermos a pegada. Assim, ao olharmos para a natureza o homem chegou à conclusão que foi Deus quem a Criou. Não foi o homem que fez o mundo, por isso, concluiu que foi um ser Sobrenatural mais forte e poderoso do que o homem.
O mundo é uma mensagem, uma marca, uma palavra dada ao homem para ele poder ter a primeira impressão de Deus.
P. Albano Nogueira

1 comentário:

  1. nao fala na salvaçao...O Sr Padre é muito abestrato explique a profundidade da fé que causa a revelação actual de Jesus a muita gente...obrigado

    ResponderEliminar