Número total de visualizações de página

quinta-feira, 15 de abril de 2010

ORAR É DEIXAR




“Deixar-se nas mãos de Deus é o mais acertado em tudo” – Santa Teresa de Jesus
Deixar-se – Símbolo do barro nas mãos do oleiro.
Cada artista toma o barro nas suas mãos para fazer o objecto.
Todos fazem objectos diferentes.
O barro é mole, dócil, deixa-se trabalhar, transformar.
Podemos imaginar Deus a fazer-nos a cada um, com o mesmo material (humanos), mas cada um é único, irrepetível. Sou único.
Pensa: achas que és barro nas mãos do Divino Oleiro?
Deixas-te trabalhar pela graça divina?
Ou será que resistes ao Divino oleiro como uma pedra dura e não deixas que Deus te trabalhe a seu gosto?
Sentes que estás nas mãos de Deus que te faz a Seu gosto?
Que tipo de vasilha és tu?
Que guardas dentro dessa vasilha que és tu?
Guardas o bem ou o mal?
Guardas sementes de alegria, de vida, de esperança, de amor, flores perfumadas para alegrar os outros e a Deus?
Ou será que guardas sementes de morte, violência, veneno, ódio, inveja, vingança, egoísmo, vaidade, injustiça, desonestidade?
Não podemos acolher a novidade do evangelho num coração (vasilha) cheio de veneno, de maldade, de ruindade.
Vinho novo, odres novos.
Deus pode converter a nossa vasilha velha, rachada, numa vasilha nova.
=== Pensa no que deves despejar, deitar fora dessa vasilha que é a tua alma, o teu coração para nela entrar Deus, morar Deus, para que Deus seja Deus na tua vida.
Para que Deus seja o Deus da tua vida.
Deus beijou o nosso barro porque ele tem em si um tesouro escondido por Deus.
Deus quer deixar no nosso barro a sua luz, a sua riqueza, a sua graça.
Na nossa fragilidade, Deus manifesta o Seu poder.
Se os outros descobrem em nós o Seu rosto é porque a Sua graça nos transforma em cristal para que transpareça a Sua luz.
Nós somos barro tosco e Deus pode transforma-nos em cristal limpo e transparente.
Temos de amar o barro que nós somos porque Deus também o ama.
Só o amor alumia o que perdura.
Só o amor converte em milagre o barro.
Pe. Albano Nogueira

Sem comentários:

Enviar um comentário