Número total de visualizações de página

quarta-feira, 4 de maio de 2011

CORTESIA E BOAS MANEIRAS -5

.
- Procura lembrar-te sempre do dia de aniversário dos teus pais.
Escreve-lhes um bilhete de felicitações, que pode ser acompanhado por um pequeno presente, comprado com as tuas economias.
O mesmo podes fazer nas festas do Natal e da Páscoa.
Não esquecer o dia do pai e o dia da mãe.
- Se és obrigado a estar ausente de casa por um período mais ou menos longo, manda-lhes notícias tuas.
Telefona-lhes frequentemente, tem o cuidado de ser afectuoso e não te limites a mencionar os factos ocorridos.
Ao regressares de um período de férias passado longe dos teus, traz contigo qualquer recordação do lugar onde estiveste para lhes oferecer.
- Se notares que os teus pais se mostram preocupados, pois em todas as famílias nem tudo são rosas, duplica a tua atenção para com eles.
Procura confortá-los com a tua gentileza.
Farás o que o bom senso te sugerir: um silêncio, uma palavra de ânimo, muita amizade.
O carinho dos filhos adoça a sua amargura.
- Ajuda de boa-vontade a tua mãe nas lides domésticas: fazer compras arrumar a casa, preparar a mesa, lavar a louça, cozinhar, ajudar no jardim, etc.
Conserva devidamente arrumados as tuas roupas, livros outras coisas pessoais.
Se deixas as tuas coisas em desordem no quarto ou em qualquer lugar, obrigas a tua mãe a servir de tua empregada.
- Ajuda também o teu pai no que for necessário.
É mais um motivo para estares ao seu lado dialogares com ele sobre tantas coisas.
- Quando quiseres pedir alguma coisa aos teus pais, pensa bem, primeiramente, para não os obrigares a uma recusa aborrecida ou a uma concessão muito dispendiosa para as posses deles.
Alguns jovens abusam da generosidade dos pais, utilizando-a em inúteis caprichos, só porque querem andar na última moda.
Nunca saias de casa sem o consentimento do teu pai ou da tua mãe.
Nem sempre os pais concordam com certas saídas e certos horários de chegada a casa.
Por isso, se alguma vez não te derem licença, procura perceber as suas razões e não te mostres caprichoso ou amuado.
- Os teus pais tem por dever educar-te na ordem, na pontualidade, na compostura, no dever, no respeito pelos compromissos assumidos, na generosidade.
Erram aqueles pais que, no seu desejo de tornar tudo fácil e suave aos filhos, os privam das ocasiões de educarem a faculdade mais nobre que em nós existe, a vontade.
Não quererás ter pais autoritários.
Mas também não pretendas que sejam de tal modo permissivos que se demitem da sua missão educativa.
- E que dizer dos irmãos?
Costuma dizer-se que nos devemos amar como irmãos.
Isto significa fazer um esforço permanente por torná-los felizes. É dando-lhes felicidade que conseguimos ir saboreando a alegria de viver.
Nos conflitos inevitáveis, serás tua a dares o primeiro passo que leva à reconciliação e à paz.
(continua)

Sem comentários:

Enviar um comentário