Número total de visualizações de página

sábado, 27 de agosto de 2011

CORTESIA E BOAS MANEIRAS -22


A saudação e as visitas

Numa sociedade despersonalizada como a nossa onde se é cada vez mais um anónimo, é muito saudável dar importância a tudo o que tem ver com o encontro das pessoas entre si: pessoas que se saúdam cordialmente, que abrem as portas de sua casa a visitas ou vão visitar amigos, sobretudo quando estão doentes.

A saudação

A saudação é uma forma de augurar felicidade, prosperidade, boa saúde.
Daí deriva o nome de saudação.
Todas as pessoas são sensíveis a uma saudação.
Negá-la a uma pessoa conhecida significa algo de grave: indiferença, corte de relações…
Atitude que faz sofrer quem não a dá e quem não a pode receber.

Aqui vão algumas observações a respeito da saudação.

- Quem deve saudar em primeiro lugar?
É de regra ser a pessoa mais jovem, a menos importante ou a que chega ao lugar onde já estão os outros.

- Quem saúda tem os braços aderentes ao corpo, os pés unidos, o porte erecto, o rosto bem voltado para a pessoa que se quer saudar.

- Quem deve saudar em primeiro lugar deve também esperar que seja a outra pessoa a estender-lhe a mão.
Quem é saudado deve, pois, estender a mão.

- Ao cumprimentar-se, pronunciam-se geralmente palavras de cortesia como: «bom-dia», «boa-tarde», «como está?», «muito prazer em vê-lo»… Responde-se com palavras semelhantes.

- É preciso recordar que o sal que dá sabor à saudação é um sorriso.

- O aperto de mão é um gesto antigo.
Estendendo a mão nua e desarmada, os nossos antepassados demonstravam ter intenções pacíficas.
O aperto de mão era sinal de franqueza e lealdade.

- O teu aperto e mão faz-se com a mão direita toda estendida e com firmeza.
A intensidade do aperto de mão é variável, mas não o transformemos numa tenaz, sob a acção da qual a vítima contraia os músculos do rosto em espasmos de dor; e também não deve ser um aperto frouxo, como que por favor, em que a mão mais parece uma massa inerte do que um órgão vivo.
Numa pressão firme e confiante exprime-se a cordialidade com que se cumprimenta.

- Se acaso tiveres normalmente as mãos muito suadas, tenta, com discrição, seca-las com o lenço antes de apertares a mão que se te estende.
Lembra-te de quanto é desagradável o contacto de uma mão viscosa e empastada de suor.

- Não se saúda com o cigarro na boca, ou as mãos no bolso, ou ruminando uma pastilha elástica, ou encostado a uma parede.

- Também não se saúda com um assobio, com palmadas nas costas, gritando a cem metros de distância.

- Se desejas saudar alguém que te desconhece, apresenta-te, dizendo o teu nome.
Conta-se que, certo dia, um célebre romancista se encontrou com um jovem desconhecido que lhe desfechou esta frase: «Então, amigo, como está?»,
Sem um momento de hesitação, ele retorquiu:
«Estou bem. E tu, como te chamas?».

Sem comentários:

Enviar um comentário